PHP Guia básico – Saiba tudo sobre essa importante linguagem de programação

guia programação php

Quem se aventura pelo mundo das linguagens de programação com certeza já ouviu falar muito em PHP. Se hoje em dia você pode usufruir de várias aplicações na web e até mesmo utilizar plugins no WordPress, a culpa é da linguagem PHP.

Ele é compatível com a maioria dos sistemas operacionais da atualidade e faz parte do dia a dia dos profissionais que atuam na área de programação.

Para saber mais sobre o PHP, suas características e funcionalidades, continue a leitura desse artigo e confira os tópicos que vamos ver nesse post.

1 – O que é PHP?

2 – Origem e evolução

3 – Como funciona essa linguagem

4 – Vantagens da linguagem PHP

5 – Onde essa linguagem pode ser aplicada

6 – PHP e JavaScript – Um pode complementar o outro

1 – O que é PHP?

PHP é a sigla para Hypertext Preprocessor, que em bom português podemos chamar de Pré-processador de Hipertexto.

Basicamente é uma linguagem de script. Por meio dela, programadores e desenvolvedores estão aptos a criar sites bem elaborados, desenvolver plugins e melhorar programas e sistemas operacionais.

Um dos grandes atrativos da linguagem PHP é a sua capacidade de ser integrada em um arquivo HTML. E uma das vantagens disso é estabelecer mais segurança.

Imagine, por exemplo, que o programador não deseja que outros tenham acesso ao seu código-fonte. Para sanar isso, basta escrever o código em um arquivo PHP, integrá-lo no HTML e, desse modo, as pessoas não poderão ter acesso ao conteúdo original.

Outra vantagem desse recurso em particular é quando o programador precisa usar marcações HTML de forma repetida.

Ao invés de escrevê-la várias vezes, basta colocar o código em um arquivo PHP. Caso necessite utilizar o HTML, ele deverá implementar o arquivo PHP e pronto.

Além disso, não é por acaso que muitos programadores dando os seus primeiros passos na área falam muito em PHP, pois a linguagem é extremamente acessível para iniciantes.

2 – Origem e evolução do PHP

A linguagem PHP surgiu em meados da década de 90, mais precisamente no ano de 1994. O seu criador foi o programador dinamarquês Rasmus Lerdorf.

Na ocasião, Lerdorf trabalhava em um conjunto de códigos binários CGI. Esses códigos estavam escritos em linguagem C. O intuito do programador era estabelecer uma ligação entre dois sistemas ou servidores pela internet.

Tais códigos eram um amontoado de scripts e de início foram batizados de PHP/Fi. Surgia ali uma versão embrionária do que hoje conhecemos como PHP.

Por meio dele, Lerdorf tinha condições de acompanhar quantos acessos o seu currículo online recebia, disponibilizado no seu site particular.

Ainda em 1994, esse pacote de scripts passou a contar com mais implementações. Foi assim que Lerdorf rebatizou esse seu filho para Personal Home Page Tools (PHP Tools).

Com isso ele mostrava que o PHP consistia em ferramentas aptas a integrar sistemas e desenvolver aplicações web sem grandes empecilhos.

No ano seguinte Rasmus liberou o código fonte do PHP Tools para o público geral. A partir daí outros desenvolvedores tiveram a liberdade de acrescentar alguma coisa aqui e outra ali, alterando as estruturas e estabelecendo novas funcionalidades.

Com isso, a linguagem PHP passou a evoluir, adquiriu cada vez mais fama e em 1995 os programadores em todo canto do planeta já a chamavam apenas de PHP.

PHP e as suas versões

No ano de 1997, programadores alteraram os códigos do PHP e lançaram o PHP 3. Essa nova versão trouxe uma novidade: primeira forma de recursos de orientações a objetos.

Graças a esse recurso, os programadores tinham condições de acrescentar métodos e códigos. No ano seguinte a versão PHP 4 foi lançada oficialmente, mostrando mais recursos para a linguagem.

Apesar das novas funcionalidades, essa versão apresentou alguns defeitos, porém eles foram sanados na versão PHP 5.0, que é a mais usada pelos programadores. Hoje em dia o PHP está na versão 7.2.

3 – Como funciona a linguagem PHP? E o que tem a ver com o HTML?

PHP é uma linguagem de script, por isso, não é de se estranhar que ande de mãos dadas com o HTML, que consiste em uma outra linguagem, porém não de programação, mas sim de marcação.

Ou seja, a HTML é usada para efetuar a marcação de blocos de textos estáticos para a composição das páginas na internet.

Mas e então, o que o HTML tem a ver com a PHP? A relação pode ser vista quando o programador acrescenta um código PHP dentro de um script de HTML. É aí, quando esses códigos são executados, podemos ver a importância de ambas as linguagens. 

Quando um usuário deseja acessar uma página da web, o código PHP é executado em um servidor que, então, gera o código HTML em que ele está inserido. Logo, é enviada a resposta com a página carregada para o navegador do usuário.

Ou seja, o servidor recebe o pedido de acesso a uma página. O PHP processa essa informação e em seguida fornece ao navegador do usuário o resultado dessa interpretação, revelando um conteúdo em formato HTML.

A mesma mágica irá ocorrer se o programador estiver utilizando a linguagem PHP junto com outras linguagens, como, por exemplo, JavaScript ou CSS, que trabalha por meio de folhas de estilo. 

4 – As vantagens da linguagem PHP

São vários os motivos que tornam a linguagem PHP uma das mais utilizadas e preferidas dos programadores, tanto dos que ainda estão aprendendo o ofício quanto dos mais experientes. Vamos ver os principais?

É uma linguagem de código aberto

O PHP é grátis e de código aberto, ou seja, permite que programadores tenham acesso ao código-fonte e possam realizar atualizações e melhorias de tempos em tempos.

Graças a isso, os usuários participam ativamente no desenvolvimento dessa linguagem, acrescentando recursos, promovendo mais estabilidade e reduzindo os chamados “bugs”.

Além disso, ela conta com uma ampla comunidade online. Por essa razão, caso possua alguma dúvida a respeito de alguma característica da PHP, você poderá encontrar vários tutoriais e dicas sobre o assunto.

Bom desempenho

É uma linguagem com capacidade de suportar elevadas quantidades de dados. Devido a isso, o PHP tem condições de realizar mais de uma função e ainda assim não prejudicar o desempenho e a velocidade do servidor em que está hospedada.

Possui perfil multiplataforma

O PHP também é uma linguagem multiplataforma, isso quer dizer que ela pode ser utilizada em diferentes tipos de sistemas operacionais, como, por exemplo, MacOS, Windows, Linux e as suas diferentes distribuições.

E quando o assunto compreende os navegadores, a situação não é diferente. O PHP é compatível com vários deles, como, por exemplo, o Edge, o Safari, o Chrome, o Opera e o Firefox.

Boa integração com banco de dados

O banco de dados é muito importante para qualquer projeto, pois é nele que serão armazenadas informações e dados, não importa se o projeto na web consiste em um blog, um site institucional ou uma loja virtual.

Nesse caso, o PHP é uma linguagem que pode ser integrada com facilidade nos mais variados bancos de dados, tais como o MySQL, Oracle, Firebird, SQLite e o Interbase.

O PHP é uma linguagem amigável

Está aí um dos benefícios do PHP que faz tanto sucesso, especialmente entre aqueles usuários que estão ainda dando os passos iniciais no universo das linguagens de programação.

Um dos motivos para isso é a sua sintaxe descomplicada. A sintaxe, que consiste nas regras de utilização, é facilmente padronizada e interpretada.

Além disso, para os programadores que já contam com um pouco mais de experiência e entendem também de outras linguagens, como a linguagem C ou Java, utilizar a PHP será como um passeio.

5 – Onde o PHP pode ser aplicado?

Se alguém disser que com PHP só não consegue fazer chover essa pessoa não está tão longe da verdade. Apesar do exagero da metáfora, é fato que são várias as ações que ela permite no âmbito de projetos na internet

O WordPress nosso de cada dia, por exemplo, é construído em PHP. Sendo assim, não é à toa que se você quer se tornar um desenvolvedor WordPress, terá como sua grande aliada a linguagem PHP.

Por meio dela o usuário tem a possibilidade de desenvolver plugins e temas variados. Inclusive, caso deseje, poderá criar os seus próprios. Abaixo, fique por dentro do que pode ser feito com o PHP.

Sistemas para a web

Hoje em dia os cursos online representam uma boa opção para quem quer investir em um projeto na web, não é mesmo? Eles atraem público e ainda são versáteis. É possível criar cursos destinados para os mais diversificados segmentos e conteúdos.

Imagine então desenvolver um bem elaborado sistema de curso online, composto por páginas de textos, vídeos explicativos, games interativos e mais uma série de recursos interessantes.

Pois então, isso tudo pode ser desenvolvido em PHP. Um outro exemplo disso é desenvolver um sistema para uma empresa. Em tempos como os atuais, em que a transformação digital é uma das principais entre os empreendedores, isso se torna extremamente importante.

Por meio de um sistema como esse, é possível que os funcionários recebam o agendamento das tarefas do dia, acessem informações, ou seja, várias funcionalidades capazes de auxiliar na execução das suas atividades.

Sites dinâmicos bem elaborados

Ter um site é a base para quem quer garantir uma boa presença digital. Não importa se o seu negócio é um pequeno empreendimento ou uma grande empresa, poder contar com um site é garantir que o seu negócio seja visto na internet pelos clientes.

Nesse contexto, a linguagem PHP possibilita a construção de sites dinâmicos, que apresentam elementos de características não estática.

Sendo assim, graças ao PHP o programador tem condições de estabelecer como será mostrada uma página ao ser carregada no navegador. Isso pode ser realizado em várias plataformas que permitem o desenvolvimento de sites dinâmicos. O WordPress é uma delas!

Aplicações na internet

A linguagem PHP possibilita criar aplicações para qualquer tipo de função na web. Imagine que você tenha o objetivo de acrescentar um formulário de contato no seu blog para facilitar a interação com o público.

Imagine que você também precisa criar um fórum de discussões para permitir que os visitantes do seu site tenham interação uns com os outros. Além disso, queira criar e publicar uma galeria de imagens para apresentar melhor o seu e-commerce.

Tudo isso é possível usando a linguagem de programação PHP, pois ela conta com recursos que viabilizam tais funcionalidades.

6 – PHP e JavaScript – Um pode complementar o outro

A linguagem PHP, assim como a JavaScript, também é utilizada para fazer com que uma página estática tenha um perfil dinâmica e interativo.

Por essa razão, é possível afirmar que hoje em dia os programadores podem contar com duas linguagens de script de características semelhantes.

O JavaScript pode permitir a criação de um site dinâmico que possibilita interações nada complexas, como, por exemplo, efeito de rolagem do mouse, autocorreção e galerias de fotos.

No entanto, ele não torna possível a criação conteúdo produzido por usuários como redes sociais, que mudam conforme a atividade do usuário. Para conseguir isso, é necessário utilizar o PHP.

Para compreender melhor, pense na seguinte situação: você está efetuando o login em uma rede social. Com isso, para visualizar o seu perfil, o PHP recupera os seus dados da base de dados e envia o resultado para o seu navegador.

Ao fazer uma mudança no seu perfil, o PHP armazenará essa nova informação na base de dados para eventuais armazenamentos. Sendo assim, esse procedimento permite que uma rede social mostre diversos conteúdos para usuários diferentes.

Isso reforça que tanto o JavaScript quando o PHP são ferramentas importantes, que em muitas vezes e aplicações podem ser complementares.

A linguagem PHP é bastante popular e que oferece várias vantagens

O PHP é bastante acessível para programadores ainda sem experiência, mas que não faz feio ao trazer funcionalidades avançadas para melhorar o trabalho de profissionais mais experientes.

Se aventurar pelos recursos e vantagens que o PHP apresenta irá beneficiar muito o seu trabalho com programação, permitindo que você crie qualquer tipo de website que desejar, especialmente quando o assunto envolve WordPress.